quinta-feira, 21 de julho de 2011

Conhecendo a solidão





A solidão não é sozinha
Ela tem por companhia a tristeza
Vez por outra anda com a paz
A contemplar, chorosa, a beleza
Natural dos mananciais

Mas quando ela se esconde
Nas entranhas do coração de um homem
Vai buscar lá longe, antiga amante
E anda lado a lado coma saudade.

Podemos, então, verificar uma verdade:
A solidão caminha com multidões!
Ora é um furtivo e rápido amor
Outras vezes arrasta-se em incontida dor

Chago assim a conclusão banal
Que por símplice corrói o coração meu:
A voz do povo é saberia de Deus
E sociável, o solitário é o que anda nas multidões


Nenhum comentário:

Postar um comentário