domingo, 28 de agosto de 2011

Cantada



  
Vem comigo, meu amor
abraçados em nossa sedução,
mergulhados no desafiador
mar profundo de nosso querer
transcendendo os muros
proibidos e gostosos do prazer.

Acordar satisfeitos com o sol
enquanto os astros na rotina
adormecida da mesmice
se entregam calados à caretice
invejosa e mal fadada da cretina
ilusão de nas cortinas se esconder.

Vem comigo, doce anjo...
quero perder-me nos encaracolados
cabelos macios caídos em sua fronte.
Te quero... mesmo que só por uma noite
sentir em mim a sua volúpia
num cortante orgasmo perfeito
em que os nossos peitos
se cansam após uma noite de amor.

Nossos corpos um no outro
pesando em cima da cama
num terremoto silencioso
em que os nossos desejos
refletidos nos olhos ansiosos
se esvaem como lágrimas
que escorrem de forma mágica
da íris candente de nossas almas.

Oh, meu bem-amado...
sua beleza me alucina,
sua voz hipnotiza
seus olhos me seduzem...
vamos apagar as luzes
que incomodam e expõem
a nossa privacidade.

Vamos transar com liberdade
libertando as fantasias
escondidas na hipocrisia
que comanda a sociedade...
vamos gritar bem alto
com a força do trovão
escandalizando o falso
valor supremo da moral.

Quero gozar uma noite inteira
me deliciando em seu sexo
e o sexo livre não tem nexo
é só o gozo e o prazer...
quero me perder
por seu corpo, em todos os caminhos
lhe machucar fazendo carinhos
numa recíproca penetração.

Quero amar os seus lábios
e lhe cantar língua na língua
beijando com ferocidade ardente
pra que assim a gente
se transforme numa poesia
loucamente apaixonada.

E quando falarem da nossa vida
vamos dar uma gargalhada
pra essa gente que fica
prisioneira e enraivada
com todo nosso estilo.

Então, meu amor, é por isso
que eu te amo e quero mais...
viver eternamente num minuto
e em seus braços alcançar a paz.







Nenhum comentário:

Postar um comentário