sábado, 24 de setembro de 2011

O BEIJO


... E beijando tocarei a tua alma
esquecendo das coisas do mundo
perdido em cada parte de ti
abraçando tua língua com minha língua
na mais perfeita cumplicidade
que pode existir entre duas pessoas.

Com os olhos fechados,
os braços entrelaçados,
sentindo a tua respiração
como o ar que me sustenta,
esse fogo que me consome,
sagrado sobe às entranhas
tal qual o sol que ilumina
e guia as nossas vidas.

Assim sei que há o Amor...
Muito mais forte e poderoso
do que um mecânico ato fisiológico
que dura apenas um momento...
Um beijo dura a eternidade
superando tempo e espaço...

Putas e michês não beijam!
Conhecem os segredos enigmáticos
guardados no coração que sangra...
Triste do ser que não pode beijar:
prisioneiro de si, não sabe amar.
Eu, livre que sou, não me arrependo
de cada beijo dado, molhado e feliz
vivendo a vida que sempre quis.

ARRISCANDO


Quando sem explicação
as lágrimas caem
a voz entala
o coração pesa
as luzes apagam
os sonhos acabam
as dores aumentam
a saudade castiga
os olhos enganam
os amores encanam
a certeza é fugaz
a dúvida é premente
passado e presente
assim num só
a vida é um nó
que não engravata
e quem desata
não faz um favor
é dono do amor
que se habita
no peito em flor
da folha que risca
a resposta que dá
o beijo de língua
o desejo sacia
sem melancolia
se sente alegria
de tudo fazer
e corresponder
tal sentimento
é sempre um risco
gostoso perigo
melhor é correr
do que não saber
o sabor da maçã
quando chega a manhã.

domingo, 4 de setembro de 2011

CANTO DA PAIXÃO




Vou envolver-te em meus braços
Sussurrando para ti, bem baixo,
Palavras de amor e desejo...
As órbitas revirando os olhos
Repousarão em teu corpo
Belo e preparado pelos beijos.

E tu, com medo do novo, dirás
Carregando na voz a emoção:
- De tanto sentimento tenho medo...
Mas sendo tarde, entregue estarás
Cedendo a paixão, esquecendo receios
Transando todas as formas à exaustão.

Entrementes, entre - olhos ao ver-te,
O coração pesa-me o peito...
As mãos brincam em flerte...
A alma louca em tal jeito
Sai do corpo transcendente
Agarrando-te em abraços quentes

Toda a alegria em ti é esta festa:
Os seios, a boca, a flor e o sorriso
Na mais doce sinfonia da orquestra!
E o poeta admirado de tudo isso
Apequena-se a teu lado, pasmo
Saciando os desejos em orgasmo

Durmo sonhando com tal beleza
Embriagando-me num deleite de prazer
Que me brinda o néctar dos deuses.
E tu, agora zombateiro, vem e ri
Escarnecendo o mundo em mim
Súdito apaixonado a tua mercê.


Após o crepúsculo é aurora a chegar
A noite de tão longa foi um instante
A cama desfeita da arte dos amantes
Tira-me do sonho pondo a acordar
Com o perfume aromático da lembrança
Incandescente ao queimar da esperança.

E quando estas mãos novamente tocarem
Em tua face ardente e suave
Será como mil explosões nucleares
Com nossos lábios nos lábios a se beijarem
Na força de maremotos, terremotos e tufões
Celebrando mil e uma vezes todas as paixões.



sábado, 3 de setembro de 2011

SIM, NÓS LEMBRAMOS





Lembramos daquelas jovens que sonhavam por justiça e mudanças
E do campus de São Lázaro chamaram todos para a História.
Lembramos do coronel dentro da faculdade rasgando a Lei...
Dos juízes desrespeitados como na pele sofre o povo...
Dos vidros estilhaçados nas costas das crianças...
Do outdoor que dizia "Bahia, Bahia, Que Lugar É Este?"


Lembramos do gás de pimenta ferindo nossos olhos
Lembramos do amigo Grito espancado na Casa da Itália
Lembramos da delegada que comprou o ódio de um povo
Não esqueçemos do senador que sangrou seu estado.


Lembramos da Tropa de choque a cavalos em cima da gente
Da arma apontada para a menina de farda
Dos dedos perdidos na mão que encontrou a bomba
Lembramos do choro... Lembramos da dor... Lembramos da angústia...
Lembramos da vontade de lutar, de não se render, nem parar...
Lembramos dos ideais e da ideologia, dos discursos e da melancolia.


Sim, nós não esquecemos... que o criminoso comanda a polícia...
Que o povo ainda sofre... que os jovens ainda morrem...
Sim, nós sabemos, que as escolas não funcionam,
Que a educação é uma mentira estatística
Montada, orquestrada para a comunidade internacional
E que em nossa casa os jovens terminam os estudos
E mormente sabem rabiscar seus nomes numa folha de papel.


Sim nós não esquecemosi dos poetas do Solar D'Unhão
Que com arte clamavam e declamavam a constituição
Ainda recordo das perseguições, dos telefonemas anônimos
Que ameaçavam e tentavam intimidar aqueles guerreiros.


Sim, nós sabemos,  que não devemos esquecer...
Por isso que o melhor é cobrar. Cobrar o resultado de tanta luta.
Cobrar que valha a pena cada lágrima e angústia.
Pois se vencemos a tirania, então exigimos a mudança!


É por lembrar, por não conseguir esquecer, que não podemos aceitar
O dirigente da operação mais covarde que o Brasil já viu
Comandando toda a Polícia Militar do estado da Bahia.
É por lembrar que nós não podemos aceitar
Que o governador do povo não apresente sua memória
Seja calado e promova os algozes de antes e de agora.


É por lembrar do jovem cabeludo ajoelhado à frente da tropa
Tentando vencer o terror com a fé, que não podemos calar...
Tantos ainda riem... Riem hoje como riam ontem...


Mas é justamente por não esquecer, que não podemos nos dobrar
Nos acovardar e não seguir na luta, pois ainda não vencemos...
Apenas mudaram alguns nomes na luta do povo
Mas o sofrimento ainda é o mesmo.


E para que o templo do saber
Não seja violentado de novo, é que não podemos esquecer
Do outdoor sábio e oracular: "Bahia, Bahia, Que Lugar É Este?"