sábado, 24 de dezembro de 2011

A Dama dos Cães


De vida vazia
percorre a cidade
aquela que um dia
linda, na mocidade
encantava os moços
e enganava os outros
que viam o seu estandarte
e invejavam-na a beleza
com que a bondade
presenteou-lhe a Natureza
um brilho em sua face.

Hoje corre as ruas
suja e maltrapilha
as cãs maltratadas
embaraçadas, esbranquecidas
maquiagem de lama pelo rosto
seguida bem de perto e a seu gosto
por numerosa matilha
de viralatas, cães vagabundo
e encerra o seu amor
neste pequeno mundo.

Cada cachorro maluco
que a maluca dos cachorros acolhia
trazia uma história
de amores, dores do passado
no nome que batizava
todo novo filhotinho.
  
Um era o pai que a deixou
outro seu noivo canalha
e assim ela se cercou
com os fantasmas que a vida lhe dera.

Quem a olha e não a conhece
não sabe que aquele verme
é de rica família,
mestre formada
professora aposentada
que vive pelas ruas
na opção de sua loucura.