domingo, 8 de janeiro de 2012

VIRTUALIDADE



Taí o computador... É o portal...
Sempre ali, pronto pra tudo
Te apresenta pessoas que não se conhecem
Mas que devem ter algo em comum
Sem jamais terem rido ou chorado juntas.
De repente um curte e o outro comenta
O curtir e comentar tem o quê de cutucar.
As mentes pairam sobre os teclados
Imaginando que do outro lado
Tem um ser que respira e é de verdade
Te fala, te canta, a até te come
Sem vocês nunca terem se visto.
No mais de tudo uma cam na web
É o clímax das carícias que se trocam
E daquilo o que pode ser visto e mostrado.
Os olhos encaram a câmera, que encara outra cam...
Na virtualidade vão se seguindo
A vida, a amizade e o sexo...
Logo surge o primeiro bebê virtual...
Perfeito com a primazia do Photoshop
E um sol alaranjado se pondo em sua chegada.
Não se saberá porém ao certo
Se filho de Bill Gates e Steves Jobs
Ou fruto dos meninos do facebook...
Século XXI vai avançando com suas transformações
E aqui já não precisa mais nem sair de casa
Para fazer umas comprinhas ali no shopping
E nem para dar uma chegadinha no bordel
Ou mesmo assistir a aula de mais alguma coisa inútil.

Um comentário: